Não sendo uma pessoa que costuma jogar frequentemente, foi com grande surpresa que um jogo do Facebook, o Big Fish, me conseguiu captar a atenção e viciar em tão pouco tempo. Decidi aproveitar para dissecar melhor o porquê e tirar algumas conclusões que possam ser úteis na criação de produtos

Referral marketing funciona

O convite partiu de um amigo com quem falo regularmente. Ele sabe que eu não jogo qualquer tipo de jogo há muitos anos. Para dizer a verdade, já não devo jogar no Facebook desde o grande boom do FarmVille há 7 anos atrás. Recebi, portanto, o convite com alguma relutância. Caso tivesse partido de um amigo com quem não  tenho o hábito de falar regularmente, provavelmente associaria a algum tipo de vírus.

Estava, então, o primeiro passo dado: o meu click foi obtido com sucesso, conseguindo o produto um novo cliente.

Onboarding é importante

O ecrã inicial do jogo é simpático à primeira vista, tendo cores conjugadas de forma harmoniosa e com bom contraste.

No entanto, o jogo é todo um mundo novo que o utilizador tem de descobrir. Mesmo que tenham sido escondidas várias ações não essenciais dentro de menus, há sempre botões que, por muito boa iconografia que tenham, nem sempre são de imediata compreensão.

É nesta curva de aprendizagem inicial que entra o chamado Onboarding. Passo a passo, as principais ações são explicadas e o utilizador rapidamente consegue fazer as suas primeiras ações e observar os resultados. Ao fim de poucos minutos, já se sente um domínio do produto, produzindo uma sensação de satisfação.

Há diferentes formas de monetizar

O jogo funciona à base de moedas. A forma mais natural de as ganhar é através da evolução de espécies de peixes que, quanto mais caras elas forem, mais dinheiro (por segundo) é gerado ao completarem voltas a um ringue.

O que há a destacar é a ausência à primeira vista de publicidade nos diferentes ecrãs do jogo. No entanto, o utilizador tem duas opções para adquirir mais moedas, sendo que em ambas vê publicidade.

Numa, pode duplicar a velocidade com que os peixes dão voltas ao ringue, ganhando duas vezes mais moedas. Na outra, o utilizador ganha diretamente um determinado montante de moedas.

No fundo, estas duas ações resumem-se no mesmo, mas são aplicadas de forma diferente. O interessante é a escolha que o utilizador faz deliberadamente para lhe serem apresentados anúncios que serão uma fonte de monetização (e a única que encontrei).

Há um adblock (ainda) difícil de contornar

Publicidade em formato vídeo dentro do jogo

Assim que comecei a aproveitar as voltas com velocidade duplicada ou as moedas extra por ver um vídeo publicitário, começaram a aparecer anúncios repetidos ou com temas com os quais não me identifico. Dei por mim a fazer play no anúncio, mas a ignorá-lo completamente enquanto fazia outra coisa qualquer. Porém, as moedas que se adquirem desta forma são mesmo úteis para conseguir evoluir mais rapidamente.

Enquanto não for viável detetar se realmente estamos a olhar para um anúncio (estilo BlackMirror com as lentes de realidade aumentada), teremos sempre os nossos olhos para bloquear anúncios.

A ligação à internet não é garantida

Uma das grandes vantagens deste jogo é não obrigar o utilizador a manter uma ligação à internet permanente. Ao funcionar offline, não é gasto tráfego nem é interrompido o serviço quando o utilizador se encontra em sítios com fraco sinal (elevadores, túneis, etc).

Ainda que grande parte das vezes, e cada vez mais, tenhamos um constante acesso à internet, é importante ter o produto preparado para que este funcione offline e as ações efetuadas durante esse período sejam sincronizadas mais tarde quando é reestabelecida a ligação à rede.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *